quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Bagagem e Equipamentos de Cicloturismo


Muitas vezes as pessoas me perguntam: O que levar em uma viagem de bicicleta?

Tendo em vista o trajeto que pretendo seguir em minha nova aventura entrarei em detalhes fazendo uma verdadeira lista de tudo que, para mim, é imprescindível e ou agradável carregar nesta específica viagem.

BICICLETA:

Vou utilizar a mesma bike que fiz as viagens na Áustria, 7 Passos Andinos e Marrocos.

Mesmo sendo o quadro de Cromo Molibdênio o mais indicado para o Cicloturismo, minha atual bicicleta é de alumínio.

Segundo meu amigo Luiz Kuhlmann, o autor do projeto dela, o tratamento feito após a solda lhe confere a robustez que necessito. Devido a experiência com a bike (creio que estas foram as viagens mais duras que já fiz), passei a confiar nesta magrela;

Três suportes de garrafas convencionais e um para garrafas de até 2 litros;

Descanso lateral (pesinho para deixar a bike de pé sozinha);

Câmbios shimano, 21 marchas do tipo alívio com V-Break;

Bagageiros de alumínio soldado e preso com parafusos (nada de rebites que com o tempo fazem barulho);

Bar end para mudar a posição da mão.

Pneus de excelente qualidade (que suportam alta pressão).

Cabos e capas de cabo novos.

Catraca e corrente novas.

Coroa original (a menor com 24 dentes).


BARRACA:

Para as pessoas que pensam em ficar um bom período viajando a escolha de uma boa barraca é algo imprescindível.

Quando eu divido o preço de uma barraca pelo total de noites que a utilizei sempre chego a um valor realmente irrisório que corresponde apenas a uma fração mínima de uma hospedagem barata.

Durante os 3 anos e meio da volta ao mundo, sempre utilizei uma única barraca MANASLU. Montei e desmontei quase todos os dias da viagem e até hoje ainda a monto quando faço uma exposição.

Sou fascinado por este modelo chamado trekking, ele tem um único arco, é fácil de montar e muito leve.

Entretanto, como pretendo fazer Patagônia, vou utilizar o último modelo da MANASLU chamado Discovery Light.

Minha mudança provavelmente será definitiva pelos seguintes fatores:

Espaço para até duas pessoas e bagagem;

Leve, só 2,6 kg;

Três arcos trançados que resistem muito bem ao vento;

A altura interna é confortável e o desenho aerodinâmico permite monta-la com os pés do lado do vento minimizando seus efeitos;

Assoalho tendido que não encosta no solo, evitando umidade;

Extremamente fácil de montar e desmontar pois os arcos não saem das guias e praticamente é só "enrolar tudo e pronto".

Alto-sustentável, não precisa de fixação no solo;

Avance frontal para guardar equipamento;

ALFORJES:

Utilizo uma bolsa de guidão e alforjes traseiros completamente estanques. Nunca tenho problemas com chuva.

Três pequenas bolsas de quadro para ferramentas, peças de reposição e utensílios práticos.
Mochila-pochete (capacidade 6 e 15 litros), onde pretendo carregar pequeno equipo fotográfico (foto equipo 10).

PARA DORMIR:

Estimando que enfrentarei temperaturas oscilando entre cinco graus negativos até 40 positivos e que as temperaturas negativas, quando houverem, serão, provavelmente de noite, optei pela seguinte combinação:

Uma barraca Discovery Light de verão para as noites muito quentes nas áreas baixas e para as áreas altas utilizo um saco de dormir de pluma de ganso de alta qualidade (pagina 130 de meu livro – foto equipo 2);

Depois de fazer a volta ao mundo como um isolante térmico de espuma densa, acabei experimentando e adotando o isolande térmico inflável devido ao seu extremo conforto(foto equipo 30).

Além disto o isolante inflável se adapta a minha cadeira (foto 11) que serve para relaxar apreciando o crepúsculo ou para curtir melhor a melancolia dos dias de chuva.


ROUPAS:

2 Camisas de abotoar e de manga comprida feitas de tactel. Protegem do sol e do frio (veja teoria das 4 camadas na página 25 de meu livro). Gosto dos botões pois posso pedalar com a camisa aberta no calor (foto equipo 16);
2 Camisas de manga comprida feitas de algodão (geralmente para dormir) (foto 16);
1 Pulôver muito fino sintético (18);
1 Blusa de polartec (3);
1 capuz de motociclista daqueles que cobrem até o nariz feito em material sintético (13);
2 Calças compridas uma de tactel que transforma em calção e outra de algodão fino (7);
1 Plástico aluminizado para emergência hipotérmica (28);
1 Calção de tactel (17);
3 Meias grossas para caminhada (20);
1 Meia de lã (20);
1 Calção de nadar (12);
3 Cuecas (12);
1 Par de luvas de ciclista com gel (19);
1 Par de luvas para esqui feitas de neoprene (21);
1 Super botina SNAKE (15);
1 Conjunto de anorak MANASLU com calça e blusa (14);
1 Chinelo (8);
1 Toalha seca (daquelas que é só torcer e pode guardar molhada) (27).
1 Agulha e linha forte;


COZINHA:

1 Fogareiro a álcool (foto equipamento 25); panela inox de um litro (22); prato de melamina (23), caneca plástica (24), garfo e faca (29), canivete suíço (com saca rolha, afinal vou para o Chile, terra de bom vinho), saco para 4 litros de água (1), esponja, sabão biodegradável.

1 Lanterna de led acopláveis na cabeça (serve para cozinhar e como sinalizador para a bike 100 horas com 2 pilhas AAA) (26).


OUTROS:

Diário (9), 2 livros, caneta, disketes, CD-RW;
Câmera fotográfica digital, tripé pequeno, 6 pilhas, carregador (5), cabo USB;
Rádio FM/AM com ondas curtas e alto-falante (6), fones e 2 pilhas;
1 Termômetro com memória para máxima e mínima (4);
1 Odômetro;
1 Óculos escuro;


FERRAMENTAS:

Cada bicicleta possui algumas particularidades e é importante saber e poder realizar pelo menos os seguintes reparos em uma viagem:

Trocar e remendar câmara de ar;

Trocar raio e centrar o aro ainda que precariamente;

Regular e trocar os cabos de freio e câmbio;

Limpar e ou trocar os rolamentos das rodas;

Apertar e soltar todos os principais parafusos da bike (como guidão, bagageiro, pedais, etc...);

Peças de Reposição e Ferramentas (foto ferramentas):

1 Câmara de ar (4);
1 Cabo de freio e 1 de câmbio (13);
1 Par de sapatas de freio (7);
4 Raios comuns e 2 raios de cabo de aço especiais para a raiação esquerda da roda traseira (dá para trocar sem remover a catraca) (1 e 2).
1 Alicate (10);
1 Chave para abrir corrente (5);
1 Chave para apertar raio (3);
1 Bomba de ar com corpo de alumínio (15);
1 Kit de reparo para furos em câmara de ar (6);
1 Chave de fenda combinada com cruz (12);
1 Chave alen dos tamanhos 6, 5, 4, 3 (8);
1 Chave de boca das medidas 8, 9, 13, 14, 15, 16, 17 (9);
1 Par de espátula para tirar o pneu (14);
1 Pedaço de cerra de metal com um pouco de silvertape enrolada (11);
1 Óleo para corrente;
1 Trava de 1 m e 1 pequena;
1 estensor de borracha.

FARMÁCIA:

Tenho por hábito, nunca tomar remédios, prefiro absorver os sintomas que muitas vezes são reações naturais do corpo em seu combate a fadiga e ou a certas doenças e agressões externas. Sempre carrego a farmácia mas nuca a utilizo.

Por outro lado consumo com regularidade vitaminas e sais minerais para compensar a alimentação precária de certas áreas;

Os comentários a seguir me foram fornecidos por meu irmão, Jorge Ferreira, que é médico:

Cordia verbenacea DC: pomada para batidas e contusões;

Metoclopramina: Para vômitos. Tomar de 8 em 8h. Metoclopramina injetável no caso de vômitos intensos;

Butilbrometo de escopolamina e dipirona sódica (buscopan): Para dor em geral e febre 30 gotas de 8 em 8 horas;

1 Hidrosteril (purificador de água);
1 Tala elástica;
5 band-aid;

ISTO TUDO FAZ EXATAMENTE 15,4 KG DE BIKE SECA SÓ COM OS SUPORTES, MAIS 19,2 KG DE TODO O RESTO DO EQUIPO INCLUSIVE A ROUPA DE CORPO. OU SEJA 34,6 KG SEM ÁGUA E COMIDA E HIGIENE.
PRETENDO RODAR COM PESO TOTAL DE 45 KG EM MÉDIA.

Por Julio Marcos
Reações:

4 comentários:

Postar um comentário